Especialistas explicam como a Educação financeira é fundamental para a economia do Brasil

Especialistas explicam como a Educação financeira é fundamental para a economia do Brasil

O endividamento das famílias brasileiras é um problema grave que, além de impactar todo o ciclo da economia, repercute na perda de qualidade de vida, depressão, baixa estima e até mesmo reforça a violência doméstica, especialmente no caso das mulheres. No dia dedicado às crianças, o Jornal Correio ouviu especialistas em educação financeira sobre a importância de ensinar as crianças, desde cedo, a lidar de forma positiva e lúdica com o dinheiro, desenvolvendo uma cultura empreendedora e, consequentemente, ajudando na construção de uma sociedade mais equilibrada.

Vale lembrar que a educação financeira ganhou obrigatoriedade nas escolas esse ano e que a iniciativa diz respeito ao cumprimento das metas 04 e 05 dos 17 objetivos do desenvolvimento sustentável da Organização das Nações Unidas.
A especialista em gestão financeira Raquel Santos lembra que a educação financeira consiste em mostrar os conceitos e os produtos financeiros que existem para que, com base nessas informações, cada pessoa possa tomar as suas decisões com o dinheiro de forma mais assertiva. “Para mim, educação financeira é você conscientizar sobre a importância do dinheiro e criar a cultura de que ele é apenas um meio de acesso à cultura, educação, alimentação, saúde e diversão. Gosto de dizer que o dinheiro é apenas um meio de transformação e de segurança”, diz.

Criadora de um aplicativo para ensinar educação financeira à jovens e crianças, a financista e empreendedora Marília Reis acredita que a educação financeira precisa estar integrada à educação doméstica como um todo, envolvendo toda a família, com muita naturalidade e ludicidade. “O foco da educação financeira precisa estar voltada para a autonomia da criança, de um poder de decisão e escolha muito bem trabalhado”, afirma.

Educação de berço

Para Marília, atitudes simples como incluir a criança na construção do orçamento familiar, estimular que ela faça escolha, apresentar situações onde haja a necessidade de tomada de decisões são caminhos possíveis para ensinar a lidar com o dinheiro.

Raquel Santos completa salientando a importância de mostrar como o dinheiro chega no cartão, carteira, bolsa dos pais, ressaltando o fato de que ele não vem de uma fonte mágica e inesgotável. “Eu lembro que os meus pais me ensinaram sobre finanças na prática: quando com 8 anos, eu levava pano de prato bordado para vender para as professoras na escola. Eu entregava o pano e elas me davam o dinheiro e lembro de ter pensado: ‘ah, então é assim’”, conta. A especialista reforça que é importante explicar sobre o trabalho, sobre a troca do tempo por dinheiro e ir mostrando de forma gradativa, respeitando a idade, como é que os pais fazem para ter dinheiro.

Raquel cita o exemplo da sobrinha de uma amiga que, aos 9 anos começou a fazer bolsas de crochê. “É óbvio que ela não precisa se sustentar com o que ganha, mas já entendeu que, com o dinheiro recebido, poderá comprar algo muito desejado em breve”, sugere, lembrando que essa iniciativa ensinará princípios como cobrança, atendimento ao cliente, controle da produção, personalização de cada bolsa.

 “Cultura empreendedora é uma das principais características de países desenvolvidos e com bons indicadores econômicos. Empreender reside em buscar soluções para os problemas da sociedade de forma sustentável e rentável”, afirma Marília, lembrando que é importante de estimular desde cedo a curiosidade e a criatividade na criança, tirando ela da zona de conforto, mostrando realidades fora da rotina e pedindo respostas criativas para os desafios. A financista lembra que premiar ideias criativas e colocar em prática também são bons estímulos.

Raquel Santos lembra que o exemplo familiar também é muito importante para essas crianças, pois ajudam a quebrar modelos culturais da sociedade que insiste em associar dinheiro  aos aspectos negativos e mostrar que ele é uma ferramenta. “Nossa cultura financeira é baseada no imediatismo e na ansiedade, então temos que quebrar esse paradigma e parar de romantizar as dificuldades financeiras que as famílias brasileiras vivem historicamente”, finaliza, salientando a importância de estimular o planejamento e a economia.

Jogos associados ao ensino de matemática também oferecem conceitos importantes de educação financeira. Confira alguns:
1- Sumoo
2 – Sudoku
3 – Tindin
4 – Minhas Economias (minhaseconomias.com.br)

 

 

Fonte: Correio

Compartilhar este post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco − 1 =